Quarta-feira, 27.11.13

A minha assiduidade aqui no estaminé tem sido muito pouca, já para não falar nos blogs por onde gosto de andar. Isto acontece não porque perdi o interesse, mas porque parece-me que o dia deixou de ter 24 horas e passou a ter bem menos. Acredito que o meu sofá tenha saudades minhas, como eu tenho dele e não é que não me deite nele, mas tenho saudades dos momentos diários que passava semi deitada a escrever no blog, a ler ou a desfrutar da companhia dos meus gatos e agora só me deito nele para dormir.

A formação "rouba-me" muito tempo, embora não esteja nada arrependida em tê-la iniciado. Apesar da grande maioria dos temas não ser novidade acabamos sempre por aprender ou relembrar algo. Estava um bocadito ansiosa (como sempre) para receber o teste, pois apesar de não ter corrido mal havia algumas respostas que não estava certa de serem as mais corretas. Afinal, aqui a moça não se portou mal e tirou 19,3 valores. Estou orgulhosa de mim.

Voltando há minha falta de tempo, ontem era dia de abancar no sofá, visto estar de folga. Pois era, mas não foi. De manhã fui ao médico mostrar os exames, incluindo aquele em que achei que ia morrer (endoscopia). Segundo as analises, ecografia e eletrocardiograma estou nova. Já o maldito exame refere inflamação do duodeno. Nada de grave e segundo a médica provavelmente este meu stress diário e constante foi um dos causadores. Seja como for, nada que não se trate, e aqui não me refiro ao stress que isto é coisa impossível de me largar, mas refiro-me à inflamação que será tratada com medicamentos.

Chegada a casa e prontinha para me deliciar com o conforto do meu sofá recebo um telefonema da minha mãe a informar que o meu velhote estava no hospital. Tinha caído de manhã e como não se sentia muito bem resolveu finalmente ir ao hospital. Digo finalmente porque apesar de ter a mania das doenças e ir muita vez ao médico na semana anterior a minha mãe contou-me um episódio que me deixou preocupada. Tinha ficado com dormência e sem força no braço esquerdo e no dia seguinte por breves segundos não conseguia articular as palavras, além da tensão arterial estar elevada. Eu só tive conhecimento dois dias depois e claro ralhei, barafustei e obriguei-o a ir ao médico de família, além de lhe recomendar a ida ao hospital mal tivesse algum dos sintomas. Não posso pegar nele e leva-lo, pois é autónomo e consciente. E pesar dos seus 75 anos faz uma vida completamente normal. Confesso que é muito mais fácil lidar com os utentes do Lar do que com os meus pais.

Quando o mandei ao médico de família achei que o dito cujo lhe iria mandar fazer exames e receitar algo para dilui o sangue. Não sou médica, mas pela experiência que tenho com os utentes do Lar e em conversas com as enfermeiras achei que esse seria o primeiro passo. Enganei-me e apenas lhe disse que se voltasse a acontecer para ir ao hospital.

Quando a minha mãe me telefonou já estavam no hospital e como sabia que eu tinha a consulta apenas me telefonou quando ele já tinha feito exames e aguardava os resultados. A minha vontade era ir para lá, mas a minha mãe disse que a tinham informado que o resultado da TAC demoraria umas horas. Acabei por ir ao curso, embora a cabeça estive fora dali e depois segui para o hospital. Impossível ficar à espera de notícia e ainda mais quando queria ser eu a falar com o médico. "Expulsei" a minha mãe e fiquei eu a acompanha-lo (não nos deixavam estar as duas com ele). Cerca de 1 hora depois é chamado para ter alta e é atendido por um médico atencioso, simpático e prestável. Daqueles que têm coração, como todos deviam de ter.

A TAC não acusou nada e agora tem vários exames para fazer e o tal medicamento para diluir o sangue. Segundo ele, os desequilíbrios poderão ser do ouvido interno. Quanto à dormência e dificuldade em falar provavelmente foi um AIT (ataque isquémico transitório).

Já disse ao meu pai que se o médico não lhe passar os exames pedidos pelo hospital sou eu que lá vou falar com ele.

E assim mais uma vez eu tive saudades do meu sofá e ele certamente teve de mim.



publicado por momentosdisparatados às 10:01 | link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Terça-feira, 31.07.12

Estas palavras foram trocadas entre mim e o meu pai:

 

-Oh, filha aqui o teu pai ontem fez um grande disparate...

 

-Então?

 

-Então não é que me enganei e entrei na auto-estrada?

 

Naquela altura o meu coração ficou apertadinho a imaginar o disparate.

 

-Não me vais dizer que voltaste para trás e vieste em sentido contrario?

 

- Isso não, mas andei, andei e não vi nada para tirar o ticket.

 

-Como não viste a máquina para tirar o ticket?

 

-Fiquei tão nervoso que já não via nada...

 

-Então e depois?

 

-Quando chegou à portagem não podia passar porque tinha cancela e quando pediu para introduzir o título eu não tinha. A rapariga estava sempre dizer a mesma coisa devia de estar a ver pela janela da casa ao lado.

 

Coitado dele e da minha mãe. Imagino as aflições que passaram. Para mais azar tinha de ser uma portagem sem funcionários.

 

- Oh, pai aquilo é uma gravação, não está lá nenhuma mulher. E depois o que aconteceu?

 

-A tua mãe saiu do carro e foi ter com um senhor para pedir ajuda e mandou-a a um edifício que estava ao lado que explicou o que tinha de fazer.

 

Segundo ele, depois de várias tentativas lá conseguiram fazer o pagamento e regressar a casa.

 

Conhecendo o meu pai, fiquei agradavelmente surpreendida por não ter dado meia volta e vir em sentido contrario.

 

Felizmente teve sangue frio para fazer tudo direitinho.

 

Ah, como castigo pagou 33 Euros em vez dos cerca de 3 Euros que deveria pagar.

Depois do susto ter passado ainda dá para rir. O meu pai diz que a culpa é da minha mãe que ia a olhar para o lado e claro que ela diz que a culpa é dele porque é um distraído.

 

   


tags:

publicado por momentosdisparatados às 23:21 | link do post | comentar | ver comentários (16) | favorito


mais sobre mim
Abril 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

Por aqui o relogio deixou...

Velhotes e auto-estrada.

arquivos

Abril 2016

Março 2016

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

tags

2011

2013

a19

abandono

aftas

água

ait

amor

aniversario

aniversário de casamento

aniversario do estaminé

aniversario mãe

anivesário

anivesario

anulação do cartão

arrábida

arrabida

arrendar

artrite reumatóide

aspirina

assalto

assedio

aveiro

avô metralha

banco

batalha

bebés

bijutarias

bipolar

blog

bolinhos

bolo

bookcrossing

bruxo

cabelo

camioneta

campanha

cardiologista

carro

carta

cartão alimentação.

cartão decredito

cartões de credito

casa

cavalete

centro saude

chanel

cheque

cidade

cidade do porto

cigana

cintigrafia

clube da amizade

consulta

deco

destino

divorcios

edp

elaine st. james

electricidade

endoscopia

engano

escapadinhas

exames medicos

ferias

férias

filha

filho

gato

gatos

governo

hospital

idosos

impostos

inspira-me

irs

livros

medicação

medico

medo

milka

mudança

multa

natal

ovelhas

pai

pais

passeio

porto

poupar

republica dominicana

saúde

sinal

sintra

tiróide

trabalho

tunísia

velhotes

vida

vizinhos

todas as tags

favoritos

Vamos, então, por partes

Leilão de eletricidade

Lilica - Cadela solidária

Como fazer novas amizades...

contador de visitas
blogs SAPO
subscrever feeds