Terça-feira, 18 de Dezembro de 2012

Tenho andado para escrever sobre este assunto http://www.tvi24.iol.pt/videos/video/13760598/1  mas o relógio não pára e ia ficando adiado...hoje é o dia de falar sobre o assunto.

 

Alguns de vós sabem que trabalho num Lar e também sabem que é um trabalho de que gosto.

 

Ora vamos ao tema que realmente interessa. Não posso dizer que não fiquei chocada quando vi a reportagem e claro que condeno quaisquer maus tractos mas vou-me focar-me em alguns pontos que considero importantes. A família, o cumprimento das leis e a ilegalidade.

 

Para mim e neste caso, ou casos como estes não me interessa se são ilegais ou não, desde que tratem os utentes com dignidade e respeito (claro que a fuga aos impostos faz com que sobre para quem cumpre, mas...). Acredito e conheço através de algumas pessoas (ex. trabalhadoras e trabalhadoras) haver Lares ilegais que tratam melhor os idosos do que alguns legais.

 

Acredito que o facto de haver tantas exigências para a abertura de Lares faça com que cada vez haja mais ilegais e claro com alguns preços que praticam nalguns Lares particulares legais levam as famílias a procurarem os ilegais.

 

Do conhecimento que tenho e que fique claro que não me refiro ao que estou a trabalhar que felizmente é uma misericórdia, é muito diferente pagar 600 € num ilegal ou pagar 900 ou mil e tal. Aliás fará, certamente toda a diferença para o orçamento familiar.

 

Não estou a dizer que apoio os lares ilegais e a colocação dos idosos neles, apenas que compreendo que façam essas opções.

 

Agora em relação ao cumprimento da lei. É normal haver uma ordem de fecho e ninguém ir averiguar se essa ordem foi cumprida?

 

É normal passar 6 meses até fazer cumprir a ordem?

 

Ah, e se não fosse a reportagem o Lar continuaria aberto e os maus tractos continuariam.

 

Portanto nesta parte alguém deveria ser responsabilizado.

 

Quanto às famílias...bem...terei de ser dura.

 

Creio que a primeira coisa quando se escolhe um Lar e antes de colocar o utente, a família tem a obrigação de saber informações. Através de vizinhos do lar, familiares de outros utentes, etc. Claro, que aqui poderá haver informações incorrectas, informações maldosas, mas se elas forem semelhantes são capazes de serem acertadas.

 

Depois da entrada a família tem a obrigação de ela própria avaliar. Não é difícil ver alguns sinais, claro que estou a falar de pessoas minimamente lúcidas. Os familiares devem ouvir os seus idosos e retirar conclusões, ainda muitas vezes não falem verdade.

 

Esta semana aconteceu-me algo que me deixou triste. Uma das utentes disse a uma familiar que não lhe ligávamos nenhuma, que a tinham levantado sem fralda e que estava sempre sozinha. Ora isto não corresponde à verdade e é duro de ouvir, mas ainda assim o familiar tem o dever de se certificar que isto não é verdade.

 

Todos os Lares têm horário para as visitas, mas não creio que se a pessoa aparecer de surpresa e com alguma justificação (ainda que possa ser inventada) não a deixem entrar.

 

Em relação à reportagem e no meu ver os familiares deviam de ser também responsabilizados (Como não vi toda a reportagem deverei dizer "alguns").

 

Como é que é possível umas das entrevistadas e familiar dizer que já sabia de algumas coisas e que uma das funcionarias que se tinha despedido lhe tinha telefonado a dar-lhe conhecimento do que se passava. E o mais grave...dois meses antes.

 

Então deixou passar dois meses sem fazer nada?

 

Sem saber a verdade?

 

É por estas situações que dizem que os Lares são depósitos de velhos. Infelizmente tenho que concordar que alguns são e alguns são devido aos familiares não querem saber dos seus idosos.

 

No Lar onde trabalho há utentes que nunca os vi com visitas e outros que as famílias exageram na maneira como querem que os tratem. Não é por pagarem que podem exigir tudo...muitas vezes coisas impossíveis, coisas quem em casa com toda certeza não faziam.

 

Ainda sobre a reportagem...as funcionárias...onde fica a responsabilidade delas?

 

Não sei o que dizer...como se consegue viver com o peso da consciência de tratar mal os idosos, ou seja quem for?

 

Felizmente tenho a sorte de trabalhar num Lar que olha por eles e lhe tenta dar conforto, respeito, carinho e dignidade. Se assim não fosse eu seria uma pessoa muito infeliz.

 

 

 



publicado por momentosdisparatados às 00:08 | link do post | comentar | favorito

16 comentários:
De Margot a 18 de Dezembro de 2012 às 15:53
Infelizmente, os lares de 3ª idade são um 'mal' necessário. Imagino-me velha e acho que a sensação de ser colocada num lar deve ser muito difícil de aceitar de bom grado. Mas reconheço que são uma ajuda indispensável para muitas famílias.
Infelizmente, as famílias nem sempre conseguem compensar o idoso dessa ida para o lar. Quando uma avó minha esteve num lar, iamos visitá-la frequentemente e até a traziamos connosco para passar alguns fins de semana e as festas natalícias por exemplo. Infelizmente, ela tinha problemas mentais e na maioria das vezes só queria era que a voltassemos a levar para o lar.
Por outro lado, uma amiga minha que desabafou comigo sentir-se muito triste por ter ido levar a avó a um lar e depois só a visitou uma vez durante um ano inteiro. Parece que as pessoas às vezes se esquecem dos seus velhotes. É uma tristeza.


De momentosdisparatados a 18 de Dezembro de 2012 às 17:20
Eu algumas vezes penso como será se eu um dia tiver que ir para um Lar. Vai ser certamente um atrofio. Odeio medicamentos, sou esquisita na comida, não suporto certos tipos de tecidos ou lãs.
Eu iria dizer que não é fácil a ida de um idosos para um Lar, mas depende de cada um e da mentalidade.
Temos utentes que foram eles que pediram aos familiares, outros que estão contrariados, outros conformados.
Triste, triste é mesmo o abandono dos familiares.
Nós funcionarias tentamos fazer o nosso melhor, mas não podemos substituir a familia.
Boa semana


De maria dos anjos mar a 23 de Janeiro de 2015 às 20:54
boa noite ha lares e lares . eu aquerdito que tenha medo o receio de ir para uma casa destas mas eu digo nao tenha medo eu sou uma auxiliar de lar e dou a minha cara sem medo , e faço tudo para que vosses esteijam bem e se sintao bem


De TheDayIsToday a 19 de Dezembro de 2012 às 14:17
Eu acho completamente impensável a ideia de abandonar os nossos velhotes. Felizmente foi possível à minha família cuidar dos nossos velhotes até ao fim. Podemos ficar sempre com eles por perto, apesar de nem sempre ser fácil.

Há pouco tempo encontrei uma senhora, vizinha dos meus avós, que a família se viu obrigada a pôr num lar, mas não a vão visitar com a regularidade com que deviam, (provavelmente não podem, não julgo), e fui cumprimenta-la. Ela não se lembrava quem eu era. Disse quem eram os meus avós e dei-lhe muitos beijinhos. Parecia que uma parte dos meus velhos estava com ela. A senhora emocionou-me ao agradecer por eu ir cumprimenta-la. Disse: "Fiquei tão contente por vires falar comigo". E vi que era sincero, abraçou-me e não me queria largar.

Os nossos idosos, todos eles, precisam do nosso respeito, atenção e carinho.


De momentosdisparatados a 30 de Dezembro de 2012 às 18:23
Os velhotes ficam felizes quando lhe damos um pouquinho de atenção e não custa nada, não é?
Quanto a cuidar-mos dos nossos familiares nem sempre isso é possível , umas vezes trabalhamos e os horários não permitem , outras os familiares não querem e outras as doenças que sofrem dificultam e tornam impossíveis tê-los em casa.
Mas mesmo num lar onde sejam bem cuidados é importante o acompanhamento dafamilia.
Bom ano de 2013.
Beijinho


De maria dos anjos a 23 de Janeiro de 2015 às 20:58
eu como sempre trabalhei como idosos , e agora decidi abrir o negocio de tomar conta de idosos estou legal e dou todo o carinho e atençao e amor tudo o que eles merecem de mim


De Fátima Soares a 20 de Dezembro de 2012 às 08:37
Minha amiga. Venho com amizade e carinho desejar e a todos que ama um Feliz Natal com muita saúde, paz, amor e tudo de bom. Um beijinho e boas Festas


De momentosdisparatados a 30 de Dezembro de 2012 às 18:24
Muito obrigado. Desculpe a demorar a responder.
Feliz 2013, que seja um ano com tudo de bom.
Beijinho


De sentaqui a 20 de Dezembro de 2012 às 19:52
É chocante que estas coisas aconteçam.
Não entendo a irresponsabilidade dos envolvidos e tenho pena dos idosos que não podem defender-se.
Eu tive a minha mãe num lar, mas antes houve a preocupação de tirar informações e sempre que a íamos visitar via-se que era bem tratada e que ela se sentia bem.
Infelizmente os caros não são para todas as bolsas, nem como tu dizes nem sempre são os melhores.
Nem de propósito, hoje estive à conversa com uma amiga minha que me disse que nunca iria para um lar, preferia contratar uma pessoa para estar permanentemente com ela. Eu como só tenho um filho, já lhe disse que quero ir para um quando já não tiver condições de sobreviver sozinha. Acredito e sei que ainda há pessoas conscenciosas, como é o teu caso.

Beijinhos


De momentosdisparatados a 30 de Dezembro de 2012 às 18:17
Colocar um familiar será uma decisão que não será facil, mas por vezes não há alternativa.
No meu trabalho tento fazer o melhor para que se sintam bem, mas isso não chega...a familia é familia. Doi quando oiço "a minha familia não quer saber".
Quando chegar a minha vez...vou sofrer...esquesita na comida, esquesita com a roupa e com todas as minhas manias. Coitadas das meninas do Lar edemim, claro.
Beijinho.
Ah, bom ano e que 2013 seja um ano suavezinho, sem grandes maluqueiras por parte dos nossos governates


De Alexandra a 23 de Dezembro de 2012 às 17:36
Tal como eu penso, as responsabilidades destas coisas são de muita gente, não só do proprietário do lar.
Começam no Estado, que tinha obrigação de apoiar quem o ajudou a "fazer", a criar. Não se entende que a reforma de um idoso não seja suficiente para poder pagar um lar em condições. A criação de uma rede de lares por parte do Estado, a preços decentes, acabaria com os ilegais. Não é que ilegal seja sinónimo de mau, para a pessoa até pode ser bem melhor que um legal, mas (supostamente) os legais são mais fáceis de "controlar".
A responsabilidade passa pelas pessoas diretamente ligadas ao lar. Não percebo que muitas funcionárias só façam queixa quando começa a mexer no bolso delas. São cumplices da violência e só se importam quando os ordenados atrasam?
A culpa acaba onde devia começar: na família. Acho mesmo que a família é a principal culpada. Não percebo como não estão atentas, mesmo que se tornando "chatas" (são ossos do ofício para os profissionais). Não entendo como abandonam os velhotes e não se preocupam em saber como estão. Acho bem que haja horários de visita mas no caso de Azeitão parece que estas tinham que ser marcadas. Isso é habitual? Eu não aceitaria. Iria lá as vezes que entendesse e se me proibissem de entrar chamava a polícia e era bem maluca para acusar de rapto quem me impediu de entrar. ;)


De momentosdisparatados a 27 de Dezembro de 2012 às 15:01
É normal que todos tenham horários , mas terem de ser marcadas... comigo não dava.
Apesar de já estar habituada com o distanciamento de alguns familiares estas noticias deixam-me tão tristes.
Boa semana


De Fátima Pereira a 15 de Abril de 2013 às 10:19
Os meus parabéns pelo seu testemunho, sua assertividade, seu profissionalismo. Partilhei esta temática no meu face.
Tenho sites e blogs. Pode me adicionar, se tiver Facebook, adicionando o meu email- Fátima Pereira.
Atentamente,


De momentosdisparatados a 15 de Abril de 2013 às 14:05
Olá Fatima
Em primeiro lugar, muito obrigada pelas suas palavras, quanto a adiciona-la...procurei no Face pelo seu nome e realmente aparece -me um nome igual ao seu, mas não tenho a certeza se é de facto o seu.
Boa semana


De Nuno a 11 de Outubro de 2014 às 13:01
Olá

Gostei do que li. A questão da legalidade é importante, mas o que conta mesmo é o tratamento dos utentes.

Sejam idosos ou crianças, devem ser tratados condignamente, por vezes parece qua não somos todos humanos.

Votos de sucesso


De maria dos anjos a 23 de Janeiro de 2015 às 20:50
boa noite , eu sou uma auxiliar como muitos anos de espriencia e nunca tratei ninguem mal , nem premetia que isso fosse feito . e agora estou atrabalhar por minha conta a tomAR CONTA DE IDOSOS E ESTOU LEGAL NINGUEM PODE DIZER QUE EU SOU MA PARA ELES


Comentar post

mais sobre mim
Abril 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

México - Férias

Depois de quase 2 anos aq...

Férias

Onde estavas com a cabeça...

IRS

Top Páginas - Ontem (11/0...

IRS e os erros

Os nossos governantes têm...

IRS

Vontade de esganar a ciga...

arquivos

Abril 2016

Março 2016

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

tags

2011

2013

a19

abandono

aftas

água

ait

amor

aniversario

aniversário de casamento

aniversario do estaminé

aniversario mãe

anivesário

anivesario

anulação do cartão

arrábida

arrabida

arrendar

artrite reumatóide

aspirina

assalto

assedio

aveiro

avô metralha

banco

batalha

bebés

bijutarias

bipolar

blog

bolinhos

bolo

bookcrossing

bruxo

cabelo

camioneta

campanha

cardiologista

carro

carta

cartão alimentação.

cartão decredito

cartões de credito

casa

cavalete

centro saude

chanel

cheque

cidade

cidade do porto

cigana

cintigrafia

clube da amizade

consulta

deco

destino

divorcios

edp

elaine st. james

electricidade

endoscopia

engano

escapadinhas

exames medicos

ferias

férias

filha

filho

gato

gatos

governo

hospital

idosos

impostos

inspira-me

irs

livros

medicação

medico

medo

milka

mudança

multa

natal

ovelhas

pai

pais

passeio

porto

poupar

republica dominicana

saúde

sinal

sintra

tiróide

trabalho

tunísia

velhotes

vida

vizinhos

todas as tags

favoritos

Vamos, então, por partes

Leilão de eletricidade

Lilica - Cadela solidária

Como fazer novas amizades...

contador de visitas
blogs SAPO
subscrever feeds