Terça-feira, 20 de Novembro de 2012

 

 

Tínhamos pensado passar o primeiro fim-de-semana de Dezembro em Peniche, ora vai dai aqui a menina pegou no pack "A vida é bela" e escolheu um dos hotéis da zona.

 

Telefonema feito, pergunto se é possível reservar um quarto de casal para a data pretendida.

 

Nesta altura não mencionei que era através do vaucher.

 

A resposta foi afirmativa, mas quando digo que é através do pack da" vida "é bela" a resposta do outro lado não foi a que queria ouvir..."ah, desculpe mas não podemos aceita."

 

-Não podem aceitar? Não estou aperceber...tenho aqui indicação que o vosso hotel aderiu a esta parceria, a senhora diz que tem quartos e agora não aceita?

 

-Infelizmente e peço imensa desculpa, mas desde a semana passada não estamos a aceitar porque não nos pagam.

 

-Oh minha senhora isso é um problema que terão de resolver com a tal empresa, mas a senhora tem o dever de reservar o quarto, visto que existem disponíveis.

 

Até aquela altura não tinha ouvido nenhuma notícia sobre a tal empresa, a sua situação financeira e muito menos que não estavam a aceitar reservas através deles. 

 

Apesar de aborrecida tinha de compreender o outro lado.

 

Seguiu-se um telefonema para a empresa "A vida é bela". Infelizmente sem sucesso...desligado.

 

Depois quis fazer uma reclamação no site deles e sem sucesso...segundo a mensagem "O seu voucher não está num estado que permita a inserção do pedido".

 

Ora dá-nos duas opções, uma para informação, outra para pedido de reembolso.

 

Tanto num caso como noutro pede para se colocar o número de activação, mas como o posso fazer se ao colocar esse número o vaucher perde a validade?

 

Também já me desloquei ao local onde a pessoa o comprou, mas sem talão de compra nada feito.

 

Tanto lixo que guardo e o "raio" do tal Talão de compra (que a pessoa me entregou) foi para o lixo!

 

Mas também se eu não pretendia trocar o presente para que o ia guardar.

 

Agora só me resta enviar reclamação com carta registada e aviso de recepção. Duvido é que a sede ainda exista.

 

Não vou deixar de ir passar o fim-de-semana a Peniche, mas claro que seria uma estadia mais económica.

 

Certamente foi mais um negócio para encher os bolsos a algum “crânio" e os "cromos" que os compraram ficaram a "arder", mas contribuíram para deixar o "crânio" feliz.

 

 

 



publicado por momentosdisparatados às 16:12 | link do post | comentar | ver comentários (28) | favorito

Quarta-feira, 7 de Novembro de 2012

Aqui o estaminé faz um anito, amanhã.

Tantos "disparates"escritos e outros tantos que não tive coragem de escrever, dias em que a inspiração foi de folga e outros em que até há coisas engraçadas para contar.

Gosto de ter seguidores, gosto quando comentam, gosto de ter visitas mesmo quando não comentam...gosto deste mundo da blogosfera!

obrigado a todos que por aqui passam.



publicado por momentosdisparatados às 18:07 | link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito

Segunda-feira, 5 de Novembro de 2012

A minha relação com os dentistas é de puro pânico e claro que evito ao máximo visitá-los, apesar de saber que o tenho de fazer.

 

Uma das primeiras visitas que fiz, tinha uns 13 anos. O dentista, se é que era dentista exercia a sua profissão na aldeia. Creio que nessa altura todos os que o visitavam saiam de lá sem dentes, quer dizer sem o dente que doía. A mim foi o que aconteceu e foi uma experiência traumatizante.

 

Felizmente que os dentinhos, aqui da menina até têm sido bastante saudáveis.

 

Há uns anos voltei a ter de fazer uma visita ( felizmente não a esse)  porque acordei com a cara inchada. Por mais que quisesse escapar, não havia escapatória possível.

 

Era o dente do siso a fazer das dele. Teve de ser extraído...ainda me dói só de reviver a cena. Ok, não doeu, mas foi como se tivesse doido.

 

Ele ainda me tentou convencer a extrair o outro (felizmente só tinha dois e não os 4 que normalmente nascem), mas este só vai sair apenas quando me doer o que quer dizer que até pode ser que nunca seja necessário extrair.

 

Depois disto ainda voltei mais duas vezes, uma para fazer uma limpeza (coisa que odiei) e tratar um dente.

 

Os anos passaram até que comecei a ter uma dor num dos dentes quando comia, ainda que ligeira.

 

Um dia acordei e decidi que tinha de ir tratar dele. Não queria ter de lavar mais uma prótese dentária, ainda que provavelmente fosse daqui a muitos anos. Já me chega lavar umas dezenas diariamente, dos velhotes.

 

Marcada a consulta, rapidamente chegou o dia.

 

Como era a primeira vez que lá ia expliquei-lhe que tinha pânico de dentistas, de agulhas na boca, de brocas, de levar anestesia, de não levar anestesia e de que eu gostaria mesmo era levar uma anestesia geral (pelo menos a agulha não era espetada na gengiva) e só acordar quando estivesse tratado.

 

Tentou tranquilizar-me, mas...eu ainda equacionei varias vezes levantar-me da cadeira.

 

Tinha chegado a altura...esfregou a gengiva com algodão e passado uns segundos "pumba" uma picada. Bem, aquilo não era uma picada, aquilo foi como me tivessem esquartejado a boca.

 

Eu tremia, as lágrimas corriam, os olhos arregalados de pânico e ela a tranquilizar-me e a perguntar-me se eu estava bem.

 

Se eu estava bem?

 

A mulher só podia estar maluca...eu só não fugia, porque com a tremedeira em que eu me encontrava nem tinha força nas pernas para andar. Ainda conseguia imaginar a minha cara toda “borrada" de rímel.

 

Entre aguentar aquela tortura e ir para a rua naquele estado eu optei por ficar.

 

 Uma mulher tem de manter o "nível"!

 

Depois daqueles horas minutos aterradores tenho de confessar que afinal ela fez um bom trabalho.

 

Dia 7 lá vou eu novamente...se o filme vai ser o mesmo?

 

Ah, pois vais. Se assim não fosse que piada tinha?

 

 

 

 

 

 


tags:

publicado por momentosdisparatados às 09:23 | link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

Sexta-feira, 2 de Novembro de 2012

Na altura em que a médica me levou para outra sala e me mandou deitar na maca arrependi-me logo de não me ter esquecido do tal sinal.

 

Não me doía, mas quando a roupa passava nele causava-me alguma impressão...era um daqueles sinais que tem um bocado de carne pendurada. Apesar de ser muito pequeno ainda assim chateava.

 

Desde sempre fui muito piegas e tudo o que era cortar, pontos, sangue e agulhas dava para eu desmaiar, apenas mudei quando fui trabalhar para a Instituição. O facto de ver ulceras de pressão, pessoas a serem entubadas, dar insulina acabou por fazer com que já não me fizesse impressão. Agora quando a coisa é em mim, já é outra historia...daquelas historias que acabam sempre em lágrimas. Esta não foi excepção.

 

As minhas perguntas à médica foram: "vai doer?", "a anestesia é com agulha?" "vai demorar muito tempo?"

 

-Não vai doer e como é tão pequeno nem vale a pena levar anestesia.

 

Nessa altura já estava também uma enfermeira que ao ver a minha ansiedade me tentou descontrair, mas nada do que dizia fazia o efeito que queria, eu apenas imaginava não só o grau da dor como a forma que aquilo iria ser retirado.

 

Quando oiço falar em pinça o meu coração saltou ainda com mais força e a minha imaginação começou logo a fazer um filme, neste caso de terror, claro.

Confesso que ainda me passou pela cabeça saltar dali.

 

-Oh Doutora tem a certeza que não vai doer?

 

-Não, não vai, apenas agarro o sinal e "pumba".

 

Aquele "pumba" foi demonstrado como se de um puxão se tratasse.

 

Naquela altura já estava ela ao meu lado com um aparelho parecido a uma corda com um laço para a apanhar os cavalos.

 

-Pare, pare Doutora...ai, ai...estou a sentir-me mal...espere...

 

-Não tenha medo, vai ver que não custa.

 

As lágrimas corriam, o coração umas vezes batia feito doido e outras acho que já nem o sentia.

 

Entre a choradeira e o pedido para parar, o sinal foi à vida.

 

Se eu senti?

 

Ai, senti sim...uma picadita e um cheiro a carne queimada.

Felizmente a medica e a enfermeira eram uns anjos com muita paciência. "Tadita" de mim se fosse o médico que me consultou, inicialmente!

 

O próximo post será sobre o "filme" que foi a minha ida ao dentista.



publicado por momentosdisparatados às 16:11 | link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito

mais sobre mim
Abril 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

México - Férias

Depois de quase 2 anos aq...

Férias

Onde estavas com a cabeça...

IRS

Top Páginas - Ontem (11/0...

IRS e os erros

Os nossos governantes têm...

IRS

Vontade de esganar a ciga...

arquivos

Abril 2016

Março 2016

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

tags

2011

2013

a19

abandono

aftas

água

ait

amor

aniversario

aniversário de casamento

aniversario do estaminé

aniversario mãe

anivesário

anivesario

anulação do cartão

arrábida

arrabida

arrendar

artrite reumatóide

aspirina

assalto

assedio

aveiro

avô metralha

banco

batalha

bebés

bijutarias

bipolar

blog

bolinhos

bolo

bookcrossing

bruxo

cabelo

camioneta

campanha

cardiologista

carro

carta

cartão alimentação.

cartão decredito

cartões de credito

casa

cavalete

centro saude

chanel

cheque

cidade

cidade do porto

cigana

cintigrafia

clube da amizade

consulta

deco

destino

divorcios

edp

elaine st. james

electricidade

endoscopia

engano

escapadinhas

exames medicos

ferias

férias

filha

filho

gato

gatos

governo

hospital

idosos

impostos

inspira-me

irs

livros

medicação

medico

medo

milka

mudança

multa

natal

ovelhas

pai

pais

passeio

porto

poupar

republica dominicana

saúde

sinal

sintra

tiróide

trabalho

tunísia

velhotes

vida

vizinhos

todas as tags

favoritos

Vamos, então, por partes

Leilão de eletricidade

Lilica - Cadela solidária

Como fazer novas amizades...

contador de visitas
blogs SAPO
subscrever feeds